Conheça o processador POWER10 que está chegando ao mercado

A família de processadores IBM POWER foi desenvolvida no final dos anos 80 e, ao longo de todos esses anos, tem acumulado avanços gigantescos, numa história de sucesso como nenhuma outra.

O próximo capítulo já foi anunciado: a nova geração IBM POWER10 vem aí, com três vezes mais eficiência energética, capacidade de carga de trabalho e densidade de contêiner do que seu antecessor IBM POWER9.

O processador fortalece toda a aposta da IBM na 4ª plataforma de TI: a nuvem híbrida. Atenderá as demandas de capacidade, privacidade, consumo energético muito mais eficiente, maior elasticidade e escalabilidade.

O POWER10 integra a IA em aplicações de negócios para levar a computação corporativa a um novo patamar. Os servidores baseados nesse processador entregarão o futuro da nuvem híbrida quando forem disponibilizados, ainda este ano.

estrutura-powerIBM

3x mais!

Em comparação com o POWER9, os sistemas baseados na nova geração de microprocessadores POWER10 suportam:

  • 3 vezes mais usuários.
  • 3 vezes mais cargas de trabalho.
  • 3 vezes mais eficiência de energia por socket.
  • 3 vezes mais densidade de contêineres OpenShift para cargas de trabalho de nuvem híbrida.

Muita tecnologia!

Para os curiosos, o nome do processador POWER significa Performance Optimised with Enhanced RISC.

A tecnologia RISC foi criada ainda em 1974, quando o pesquisador John Cocke e sua equipe da IBM Research começaram a trabalhar no projeto de um controlador para uma central telefônica.

A central não vingou, mas em 1980 Cocke e sua equipe concluíram o que seria o primeiro protótipo de computador empregando arquitetura com conjunto reduzido de instruções (RISC – Reduced Instruction Set Cycles).

A nova arquitetura permitiu que os computadores funcionassem mais rapidamente do que até então era possível e é usada ainda hoje em todos os computadores do mundo.

Na história do processador, também houve muitos avanços. A versão POWER10, que chega ao mercado, é resultado de cinco anos de desenvolvimento. Usa fios de cobre de 7 nanômetros (nm), uma miniaturização ainda inédita. 7nm é o tamanho das trilhas de cobre entre os transistores, as partes mais finas dentro do processador.

Estamos falando de um nível microscópico: uma folha de papel tem 100.000nm, um fio de cabelo, cerca de 80.000nm.

Poderoso demais!

  1. O POWER10 tem suporte para clusters de memória multipetabytes, com uma nova tecnologia revolucionária chamada Memory Inception, projetada para melhorar a capacidade e economia da nuvem para cargas de trabalho com uso intensivo de memória de ISVs.
  2. Traz novos recursos de segurança, incluindo criptografia de memória ponta a ponta; a criptografia é 40% mais rápida em comparação com o IBM POWER9 para os padrões mais rígidos de hoje e padrões de criptografia futuros, como criptografia pós-Quantum e novos aprimoramentos para a segurança de contêiner OpenShift.
  3. Reúne novos núcleos de IA, que suportam inferências de IA 20 vezes mais rápida do que o IBM POWER9, para integrar aplicativos de negócios e obter mais insights.
  4. Para as empresas, há redução de custos com o espaço físico e o consumo de energia, com usuários produzindo mais trabalho em um espaço menor.

Tecnologia compartilhada!

A IBM compartilha seus designs de chips com outras empresas através do consórcio OpenPOWER Foundation, fundação criada ainda em 2013 em associação com Google, Melanox, Tyan e NVIDIA. Seus chips são produzidos pela Samsung Inc.

Aqui na Lanlink, estamos ansiosos para ver o POWER10 rodando, porque sabemos que farão muito pelas empresas, especialmente para aquelas que estão integrando a Inteligência Artificial em seus aplicativos de negócios e em fluxos de trabalho transacionais e analíticos.

Estamos de olho também em mais avanços para os próximos anos, como o processador de 2nm já anunciado pela IBM, que poderá embarcar até 50 bilhões de transistores em um chip do tamanho de uma unha.

Poderoso demais!

Site Footer